sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

MILAGRE

Quando jogava no juvenil do Baraúnas o "médico" de campo era Manoel Enfermeiro, uma espécie de faz tudo na beira do gramado. Pois muito bem, num jogo qualquer eu levo uma pancada e caio me contorcendo de dor. Daí, ele entra no campo na maior carreira, a torcida vaiando, e ainda por cima esqueceu de levar o material paramédico, nem água levou! Aí, quando ele chegou onde eu estava, sem nada nas mãos, eu já irritado, olhei pra ele bem sério e lhe perguntei: Vai fazer milagre? Ele voltou na mesma carreira para a beira do gramado, me esculhambando!

ACORDO PARA NÃO ME...

Em uma conversa informal sobre alimentação, digestão e essas coisas de saúde, minha ex-cunhada Nazaré, que é enfermeira, me dizia que todos devemos ter um relógio digestivo, ou seja, uma hora certa pra defecar. E completou dizendo que geralmente este horário é quando acordamos. Continuando, ela me pergunta: Você acorda pra cagar? Resposta: Eu acordo pra não me cagar!

quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

COMENDO GALINHA

No motel com uma "gata", logo após aquele love, "danei" o arrôto! E ela: Vixe! O que é isso...? Eu: Ah, eu comendo galinha, eu arroto, na hora! Aí, a risada foi grande!

E PRA COMER TAMBÉM!

Tive uma amante que me despertava muitos sentimentos, inclusive nervorsismo, e quando chegavamos ao Motel, a primeira providência que eu fazia era ir ao banheiro, arrear um barro, botar Pelé na aula de natação! E ela intrigada com essa atitude, um dia me pergunta:Ei, você só vem aqui pra cagar? Eu: E pra comer também!

terça-feira, 26 de janeiro de 2010

CATUCADA

Quando jogava no juvenil do Baraúnas de Mossoró, a situação financeira era péssima e o clube não oferecia nada além do uniforme e isso não incluía a chuteira, que a gente tinha que comprar. Pois muito bem, até mesmo material esportivo era muito escasso na cidade e vez por outra a gente tinha que consertar a chuteira com aquelas famosas agulhas "palombá". Pois bem, em um clássico do juvenil contra o Potiguar, eu havia levado uma dessas agulhas para o vestiário para consertar a chuteira e após o remendo eu a coloquei espetada na camisa de jogo e fui para o campo, sem intenção alguma. Nossa equipe fazia uma pressão muito grande sobre o Potiguar e no meio de campo só se encontrava eu e Marrom, um jogador do Potiguar muito veloz, que eu sabia que se ele pegasse a bola e botasse na frente eu não o alcançaria. A certa altura do jogo isso aconteceu, quando ele pegou a bola de costas para mim e se virou para dar a arrancada, eu "sapequei" a agulha no lombo do pobre! Ele deu um pulo pro lado e eu saí jogando bonitinho...Em seguida ele me disse que uma abelha o havia picado! Bons tempos!

sábado, 23 de janeiro de 2010

quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

PERDEU A HUMILDADE?

Na posse de Antonio Francisco na Academia Brasileira de Cordel no Rio de Janeiro, muito festejado, ele tirou fotos com o Lula, Dilma Roussef, o governador do Rio, Sérgio Cabral e várias outras personalidades presentes. Todavia, presente também estava o cantor compositor e ex-ministro da cultura Gilberto Gil e alguém alertou a ele: Antonio, você não tirou foto com Gilberto Gil! Resposta dele: Ele não pediu!

terça-feira, 19 de janeiro de 2010

DORMINDO COM MERDA

Nos idos de 1982, fui proprietário, juntamente com Sérgio Miranda, de uma boate lá na praia de Tibau e, como de praxe levamos os amigos para nos ajudar. Sílvio, Térbio, Barbalho, Beleleu, o Mudinho de Magna, dentre outros. A putaria era grande! De certa feita, sem instalações sanitárias, Silvinho deu uma tremenda cagada nos fundos da boate e a feze ficou se bronzeando o dia todo. Quando fomos dormir, Térbio apanhou a bosta em uma pá e ficou frescando, rodando o ambiente e passando perto de todos que lá estavam, até que viu o Mudo dormindo numa rede e pegava a pá e passava bem próximo ao rosto do Mudo, que quando sentia o mau cheiro, virava pro outro lado, fungando e passando a mão no nariz. Isso, todo mundo se acabando de rir e o Mudo nem se tocava, pois certamente nada ouvia. Até que depois de perder a graça, quando ninguém mais ria, ele simplesmente rolou a bosta pela pá, jogando a dita cuja na rede do Mudo, quando ai, todos caímos na risada e fomos dormir. Lá pras tantas da madrugada, fomos acordados pelo Mudo cheirando as mãos de todos, e pelo olfato acusou Silvinho (Coincidência?) e ai é que ninguém se aguentou e tome gargalhada e o Mudo todo melado de bosta! Turma boa essa!

quinta-feira, 14 de janeiro de 2010

SABIDÃO

Namorava uma garota no interior, em uma fazenda bem próximo à cidade e fui visitá-la sendo levado de moto por um amigo que ficou de me apanhar depois das nove horas da noite. Acontece que de repente começou a chover muito forte e nada do amigo poder vir me apanhar. Lá pelas onze da noite desistimos de esperar e o pai da namorada me ofereceu o único quarto disponível da casa para, juntamente, com um garotinho de uns dois ou três anos, dormir. Pela madrugada, senti uma vontade enorme de mijar e a casa muito grande, antiga, toda no escuro, e eu não sabia onde ficava o banheiro e, cada vez mais apertado, tive uma idéia! Peguei o menino e coloquei-o na minha rede e mijei na rede dele. Pronto estava resolvido a celeuma! Ocorre, que quando fui pegar o menino na minha rede, para por de volta na rede dele, o prisiaca havia dado uma tremenda de uma cagada na minha rede! Daí, o restante vocês imaginam! Uma noite de terror!

terça-feira, 12 de janeiro de 2010

STROGONOFF

Quando me separei de Socorrinha, me iludi com uma "inhanha" muito bonita e todos me alertavam sobre a "religiosidade" dela. Uns diziam que mulher muito bonita é como melancia grande, não se come só! E muitas e muitas advertências foram feitas, mas, como a gente só enxerga quando é com os outros, fui prosseguindo neste idílio bandido até que meu filho André veio me contar que ela não estava só comigo, quando lhe respondi: É melhor comer um prato de strogonoff com os amigos do que um prato de merda só! Em tempo: E o pior que todos estavam certos!

segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

ESCANTEIO PRA FORA

Essa é do tempo em que jogava futebol. Jogando Baraúnas contra o Fluminense da lagoa do mato, um jogador do Fluminense foi bater um escanteio de botou a bola para fora, ou seja, por trás da trave do goleiro adversário, o que acontece até com grande craques. Daí, Nelzinho de Zeca, treinador e dono do Fluminense, dá um grito lá do banco de reservas: Devolva pro goleiro, mas não bote pra fora! Um campo desse tamanho e você bota a bola pra fora, seu porra! A galera caiu na gargalhada!

domingo, 10 de janeiro de 2010

CARTEIRO

Na campanha para vereador lá em Natal, Paulo Wagner fazia o "corpo a corpo", visitando as casas de um bairro, quando uma senhora bem nervosa chega e diz reclamando que os políticos só vem visita-los de quatro em quatro anos e deveriam vir no dia a dia dos moradores! Aí, Paulo Wagner sai com essa: Minha senhora em num trabalho nos correios, não, pra vir aqui todo dia...!!!

sábado, 9 de janeiro de 2010

ALMOÇAR NO EMPREGO

Contratei um pintor, Ricardo, que por sinal foi criado na casa da minha ex-esposa, e quando chegava a hora do almoço eu louco pra tirar minha soneca, dizia: Faça carreira e só apareça aqui lá para às 13:30 hs. Aí ele dizia: É isso mesmo, na hora do almoço manda a gente pra casa! Pobre, nem direito de almoçar onde trabalha, tem. Eu: Eu trabalho há vinte e tantos anos no Colégio Dom Bosco e nunca almocei lá!

sexta-feira, 8 de janeiro de 2010

DE QUEM É O BEZERRO?

Essa me foi contada pelo Dr. Marlus César. Portanto, se existe alguma distorção, reclamem a ele. Bem, nosso amigo comum Lídio Barreto, tem um compadre que resolveu viajar para São Paulo à procura de trabalho, deixando a esposa por aqui. Passado algum tempo resolveu retornar à cidade para novamente fixar residência com sua esposa que havia ficado aqui em Mossoró. Acontece, que quando o compadre de Lídio foi para a capital paulista, a esposa deste não havia ficado gestante e, quando o compadre de Lídio retornou, sua esposa já havia dado à luz a um outro filho. O compadre de Lídio não ligou para tal fato, fazendo de contas que o filho era dele mesmo, afinal, pai é o que cria, já dizia o poeta em sua composição regional. Incomodado com a situação, Lídio se encontrava bebendo com o seu compadre, cujo nome está preservado, e lhe chama à atenção para o fato, afirmando que o filho não era dele, que reagiu fazendo a seguinte comparação: Compadre Lídio, se eu tiver uma vaca no meu quintal e você levar um touro para reproduzir com minha vaca, de quem o garrote? Lídio respondeu: Seu! Ele: Então, o filho é meu, meu amigo!

terça-feira, 5 de janeiro de 2010

SUTILEZA

Certa ocasião dos anos setenta, um pretendente a namorado de minha irmã conversava com meu pai para obter o seu consentimento para o namoro. Argumentava ele, que não bebia, não fumava, não jogava jogos de azar e nem tinha relacionamento com mulheres da vida. Daí, meu pai olhando para ele, com aquela sisudez que lhe era peculiar, perguntou-lhe: Meu amigo e o que é que você faz para se divertir?